Careers: workers’ perceptions of organisational support for their professional growth

Júlio Fernando da Silva, Janaina Faria Fidelis Borges, Amyra Moyzes Sarsur, Simone Costa Nunes, Wilson Aparecido Costa de Amorim

Abstract


This study focused on the concept of career, taking into consideration the changes this construct has undergone over the years: from traditional approaches to contemporary perspectives. The research included analysing organisational policies and practices, as well as recognising the importance of workers’ views regarding these phenomena. The study specifically sought to understand more fully organisations’ career management strategies in the Brazilian state of Minas Gerais. The data collection included both Human Resources Departments’ stated positions and employees’ perceptions of their opportunities for professional growth and the available career planning mechanisms. Secondary data were obtained from the ‘Melhores Empresas para Trabalhar – 2016’ (‘The Best Companies to Work for – 2016) survey, which also provided a methodological framework. The results highlight organisations’ concerns regarding subsidising their employees’ career development, although this support varies according to hierarchical level and company size.


Keywords


Career planning, career development, human resources, professional growth, best companies to work for

Full Text:

PDF

References


Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandsznajder F. (1999). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Ascensão, C. (2009). Práticas de gestão de carreira, acolhimento e integração e empenhamento organizacional: estudo de caso no sector do pós-venda automóvel. (Dissertação de mestrado, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação de Lisboa, 2009).

Arthur, M. B., Hall D. T., & Lawrence, B. S. (1989). Handbook of career theory. [S.I.]: Cambridge University Press.

Batista, K., & Cançado, V. (2017). Competências requeridas para a atuação em coaching: a percepção de profissionais coaches no Brasil. Revista de Gestão, 24(1), 24-34.

Baugh, S. G., & Sullivan, S. E. (2005). Mentoring and career development. Career Development International, 10(6-7), 425-428.

Bendassolli, P. F. (2009). Psicologia e trabalho: apropriações e significados. São Paulo: Cengage Learning.

CDDI / IBGE – Centro de Documentação e Disseminação de Informações / Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. (2017). Estatísticas do cadastro central de empresas, Coordenação de Metodologia das Estatísticas de Empresas, Cadastros e Classificações, Rio de Janeiro.

Carvalho, A. V., Nascimento, L. P., & Serafim, O. C. G. (2013). Administração de recursos humanos. São Paulo: Cengage Learning.

Chanlat, J-F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade? Revista de Administração de Empresas, 35, 67-75.

Dingman, M. E. (2004). The effects of executive coaching on job-related attitudes. (Doctoral dissertation, Regent University, School of Leadership Studies of Virginia, 2004).

Dutra, J. S. (2001). Gestão do desenvolvimento e da carreira por competência. In: Dutra, J. S. (Org.). Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Editora Gente.

Dutra, J. S. (2010). Processo Decisório. In Dutra, J. S. (Org.). Gestão de carreiras na empresa contemporânea. São Paulo: Atlas.

Engel, Y., Burg, E. V., Kleijn, E., & Khapova, S. N. (2017). Past career in future thinking: how career management practices shape entrepreneurial decision making. Strategic Entrepreneurship Journal, 11(2), 122-144.

Freitas, I. A. (2002). Trilhas de desenvolvimento profissional: da teoria à prática. In Anais do Encontro Nacional da Associação de Pós-Graduação em Administração, 26, Salvador/BA.

Graziano, G. O., Peixoto, C. A., Pizzinatto, A. K., & Castro, D. S. P. (2014). Coaching e Mentoring como instrumento de foco no cliente interno: um estudo regional em São Paulo. Revista Brasileira de Marketing, 13(1), 47-59.

Greenhaus, J. H., Callanan, G. A., & Godshalk, V. M. (2009). Career management. Orlando: The Harcourt Brace College Publishers.

Hall, D. T. (2002). Careers in and out of organizations. Londres: Sage Publications. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2016). Contas Regionais 2015. Rio de Janeiro: IBGE.

Kram, K. E. (1983). Phases of the mentor relationship. Academy of Management Journal, 26, 608.

Kuazaqui, E. (2016). Gestão de carreira. São Paulo: Cengage Learning.

Lacombe, F. (2011). Recursos humanos: princípios e tendências. São Paulo Saraiva.

Le Boterf, G. (2002). Développer la competénce das professionnels: construire des parcous de navigation professionnelle. Paris: Éditions d’Organisation.

Martins, H. T. (2011). Gestão de carreiras na era do conhecimento: uma abordagem conceitual e resultados de pesquisa. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Oliveira, D. P. R. (2015). Coaching, mentoring e counseling: um modelo integrado de orientação profissional com sustentação da universidade corporativa. São Paulo: Atlas.

Oliveira, D. P. R. (2013). Plano de carreira: foco no indivíduo. São Paulo: Atlas.

Rocha, I. V. (2015). Debate sobre autoconhecimento e âncoras de carreiras como diferenciais para o planejamento da carreira sob a perspectiva da gestão pessoal. Pensamento & Realidade, 30(4), 31-45.

Schuster, M. S., & Dias, V. V. (2012). Plano de carreira nos sistemas de gestão público e privado: uma discussão a luz das teorias motivacionais. Revista de Administração IMED, 2(1), 1-17.

Segala, M. (2015). Depois da carreira em Y, empresas adotam a carreira em W. Você RH. Retrieved from https://exame.abril.com.br/carreira/uma-via-de-tres-maos/.

Sergers, J., Vloeberghs, D., Henderickx, E., & Inceoglu, I. (2011). Structuring and understanding the coaching industry: the coaching cube. Academy of Management Learning & Education, 10(2), 204-221.

Silva, R. C., Trevisan, L. N., Veloso, E. F. R., & Dutra, J. S. (2016). Âncoras e valores sob diferentes perspectivas da gestão de carreira. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(59), 145-162.

Tachizawa, T., Ferreira, V. C. P., & Fortuna, A. A. M. (2006). Gestão de pessoas: uma abordagem aplicada as estratégias de negócios. Rio de Janeiro: FGV.

Veloso, E. F. R., & Dutra, J. S. (2010). Evolução do conceito de carreira e sua aplicação para a organização e para as pessoas. In Dutra, J. S. (Org.). Gestão de carreiras na empresa contemporânea. São Paulo: Atlas.

Veloso, E. F. R., Dutra, J. S., & Nakata, L. E. (2016). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações y, x e baby boomers. Revista de Gestão, 23(2), 88-98.

Veloso, E. F. R., Dutra, J. S., Fischer, A. L., Pimentel, J. E. A., Silva. R. C., & Amorim, W. A. C. (2011). Gestão de carreiras e crescimento profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional- ABOP, 12(1), 61-72.






Copyright (c) 2019 Tourism & Management Studies

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.